Silvia Alvarenga

  • 5
  • Jul
  • 2010

No Mais Profundo

  • 5
  • Jul
  • 2010
Há algum tempo atrás, estava indo fazer mergulho em alto mar, a procura de valores, e ver a vida bela que existe lá embaixo. Enquanto eu começava o meu mergulho, para descer mais profundo, tive que fazer vários treinos de respiração. Não podia respirar pelo nariz, tinha que esquecer que existia esse órgão, porque poderia perder o fôlego se tentasse usá-lo, tinha que focar apenas na minha boca para respirar.

Ok, o processo foi lento! Fui descendo com um acompanhante que me guiava. Ele dava todas as instruções, e eu tinha que ouvi-lo, porque senão a minha busca seria insensata, e poderia perder a vida por um descuido. Ele não falava com os lábios, mas com sinais.

Lembro-me exatamente quando estava descendo devagarzinho, pois tinha que crer verdadeiramente que chegaria no meu arquitetado sonho: O mundo dos peixes, e também de tesouros.
Já a certa profundidade, de repente algo aconteceu: na minha máscara entrava água pelos olhos. Naquele momento lembrei do meu instrutor dizendo-me que se acontecesse alguma coisa, tinha que manter a calma.
A euforia e o pânico queriam fazer parte de mim, queria subir o mais rápido possível e respirar ar puro! Mas não tinha como, assim como havia descido devagarzinho, também tinha que subir devagar!
Que agonia! Que situação! Não queria deixar de ver o belo oceano, e sua imensa diversidade de peixes, pedras e etc… Tinha que subir, senão poderia acontecer algo pior!
— Essa é a agonia de querer encontrar um amigo ou amiga! 
Não é fácil. 
Ela está no mais profundo do mar —
E a partir de hoje vou começar a contar a história de uma amizade verdadeira. Como ela surge? De onde ela vem? Fique ligado neste blog!

Deixe uma mensagem

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

13 Comments

  1. meu email é vbf@iurd.pt

    Ver mais
1 2 3