De mãe para mãe: Eu não tenho tempo!

Josiane Boccoli

  • 13
  • Mar
  • 2015

De mãe para mãe : Eu não tenho tempo!

  • 13
  • Mar
  • 2015

Com a vida repleta de afazeres que temos hoje em dia com trabalho, estudo, casa, compras, a nossa vida com Deus e os nossos compromissos em Serví- Lo, …, enfim, acaba-se por não ter nenhum dia de folga para que possamos cumprir com todas as responsabilidades.

Contudo, aonde estava o tempo para o nosso filho?????

Várias foram as vezes que o Gabi reclamou por nunca sairmos para onde ele queria e incontáveis vezes em que ele chorou por querer brincar e não podíamos esperar…

Afinal tínhamos sempre compromissos e horários, mas ao mesmo tempo o filho crescia e o tempo dedicado a ele, sempre ficava para depois.

Dava muito trabalho nas reuniões, tudo estava mau, sempre insatisfeito, mas conseguíamos levá-lo, distraindo-o e compensando-o com outras coisas e … o tempo passava.

Até que um dia algo fez-me despertar, que foi ao sairmos para a Igreja, ouvi-o a dizer: “Ahhhhh não!!! De novo não!!! Todo o dia na Igreja?? Eu não quero!” ????

Foi um choque para mim!
Fiquei muito triste em ver que o meu filho não estava a querer ir à Igreja. “Como pode? Porquê??”, pensei.

À noite orei e pedi a Deus que me fizesse entender o meu filho. Não queria sentir tristeza, pois o sentimento não ajuda em nada, mas queria poder reverter esta situação. O que estava a acontecer para ele ter tal reação? Estávamos a dar mau testemunho?
Algo estava a acontecer para ele reagir assim e eu queria entender.

Bastou pedir e Deus não falha como nunca falhou, e sempre que nos humilhamos e pedimos a Sua Ajuda, Ele Vem!

Naquela noite, Deus fez-me ver o meu filho e entender que eu tinha ali uma vida e não um boneco, que não deve ir e vir de acordo com a minha agenda, não! Ele tem vida própria, vontades e deve ser respeitado como tal. Ele não era mais um bebé e já tinha 7 anos.

Neste dia vi uma criança totalmente anulada, sufocada nas suas vontades e a ponto de explodir, ou melhor, aquela reação dele foi a explosão.

Percebi que esta poderia ser uma das razões de filhos, enquanto crianças serem criados na Igreja e depois que crescem rejeitam estar na casa de Deus como uma forma de se libertar. Assim sendo, afastam-se e fazem tudo o que nunca puderam fazer até ao dado momento. Erram por não terem a malícia que uma criança criada fora da Igreja tem e as mães já não podem mais mantê-los, pois cresceram e agora culpam a Igreja por ter tirado a atenção das mesmas e por ter impedido de fazer o que queria. Um sentimento de revolta totalmente errado!!

Para evitar esse episódio e como queria colocar um “ponto final” nesta situação, foi então que inventamos o “Dia do Gabi” na nossa casa. Juntamente com o meu marido conversámos com o nosso filho e explicámos que assim como nós tínhamos os nossos dias de irmos à Igreja, de ir trabalhar e de ele ir à escola, que também haveria o dia do Gabi, onde ele escolheria o que faríamos. Seria um dia para ele fazer o que desejasse, mas claro com limites e de acordo com as nossas condições, e ele não acreditou!!! Ficou muito feliz!!

Posso dizer que surpreendi-me muito com escolhas simples: como, por exemplo, irmos ao parque jogar à bola; nadar numa piscina; receber um amigo em casa; …

Embora neste dia o Gabi se sente livre por poder escolher até o que comer e feliz por ser toda a atenção dele.

Por vezes não podemos dedicar-nos um dia inteiro, então separamos uma manhã ou uma tarde e na maioria das vezes eu começo e o meu esposo chega depois. No entanto, é o nosso compromisso.

Assim como todos os outros conselhos, este trouxe-nos muitos resultados como: união entre família; tempo de qualidade entre família; por exemplo, em vez de pedirmos uma pizza nós fazemos uma juntos; dedicamo-nos uns aos outros; …

E o resultado? Um filho muito mais feliz, satisfeito e honrado como deve de ser.

Digo a si, amiga e mãe, que até na Igreja o comportamento dele mudou, pois passámos a ensiná-lo que assim como damos o melhor a ele no seu dia, da mesma forma devemos dar o melhor a Deus nos dias Dele. Após este ensinamento, o entendimento dele abriu e pode visualizar o que significa: “Honrar, dar o melhor e priorizar.” Assim, o Gabi passou a ir à Igreja com prazer, tornou-se dizimista e sacrificou para Deus aos 8 anos.

Então, o que me diz de também criar o dia, a manhã, a tarde ou algumas horas para o seu filho? São momentos únicos em que poderão desfrutar juntos, ensinamentos e aprendizagens para a vida, duma forma viva e real, tal como o Senhor Jesus nos ensinou …

Deixe uma mensagem

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

187 Comments

  1. Comecei a ler os posts e gostei muito, pois quantas mães estão na igreja e seus filhos sofrem, são rebeldes e acham ir a igreja algo chato, pois não usufruem em nada coma família, todo tempo livre é só a igreja, pois a correria do dia a dia não deixa tempo para nada. Gostei muito e vou praticar. Estou no Godllywood, e desde que entrei na igreja Universal meu sonho é ser diferente, é ter a natureza plena de Deus. Ter um comportamento que caracteriza Deus. Vou fazer obedecer as dicas dos posts com minha filha e vai arrebentar!
    Obrigada.

    Ver mais
  2. Amei essa postagem

    Ver mais
  3. Muito bacana hein! Apesar dos meus filhos serem pequenos, um tem 2 anos e a outra tem 7 meses, já tenho minhas correrias e preciso me programar sempre pra não faltar atenção à eles. Fazem parte da minha prioridade. Cuido da casa, deles e do marido.

    Ver mais
  4. Muito bom, esse post me ajudou muito, pois esse sempre foi o meu maior medo, que é criar minhas filhas na presença de Deus e quando elas ficarem maiores se afastarem. Gostei muito dessa idéia e vou colocá-la em prática. Criar um dia só para elas e deixar elas escolherem o q vamos fazer, dentros dos limites e das minhas condições financeiras. Tenho certeza que vai da certo

    Ver mais
  5. Poxa!!muito legal gostei ,pois,tenho uma,filha de8anos,e elasenpre,esta reclamando ,que nao saimos com ela.

    Ver mais
1 29 30 31