De Filhos para pais: À minha maneira…

Viviane Freitas

  • 24
  • Fev
  • 2015

De Filhos para pais : À minha maneira…

  • 24
  • Fev
  • 2015

Este mês tenho parado para pensar acerca do tipo de relacionamentos que tenho e de que forma tenho investido nos mesmos.

Já sabemos que tudo aquilo que alimentamos cresce e torna-se forte, vigoroso… Já o que deixamos de alimentar, ou aquilo em que paramos de investir, tem tendência para enfraquecer, definhar, e em última instância “morrer”.

Nas últimas semanas falámos acerca da importância de investir no nosso relacionamento com Deus; aprendemos a buscar o Espírito Santo acima de todas as coisas. Ele é a Água da Vida, a base sólida de onde parte tudo o mais, como casamento, filhos, lar, e consequentemente todas as resposta que precisamos. Sem Deus, como está escrito, nada podemos fazer! (Jo.15:5)

Tendo este aspeto bem definido, de que forma então, temos lidado com o nosso marido, os nossos filhos, familiares, companheiros e amigos? Será que temos investido da forma certa, ou “amamos” ao nosso jeito, cuidamos da forma como cuidaram de nós, mas não renovamos os votos, não agimos diferente, e por isso sempre obtemos os mesmos resultados?

Uma amiga este mês disse-me algo que ainda hoje me faz pensar: Não auxiliar o meu marido da forma que eu “acho”, mas estar sensível ao que ele realmente precisa. E na verdade, na correria do dia a dia, talvez já nos tenhamos habituado a agir de forma “rotineira”: Preparar o pequeno-almoço, cada um cuida das suas responsabilidades, fazer o almoço, dar o lanche, o jantar, dormir, levantar, e consecutivamente no dia seguinte… Ou então: Levar os filhos à escola, dar lanche, fazer os trabalhos de casa, cozinhar, e fazer o mesmo toda a semana, durante o mês, e num ano inteiro.

Na verdade, existe uma enorme tendência humana para o desequilíbrio; dificilmente paramos para pensar e criar! Para perceber onde está a faltar a nossa atenção, e de que forma podemos transmitir, até sem palavras, o que Deus tem feito no nosso interior. E isso exclui a rotina!

Então, se os seus filhos estão em casa, no período de férias, não permita que a sua falta de atenção se transforme no modo “on” dos vídeo-games, de manhã até à noite.
Se trabalha, inscreva-os em tempos livres, em algum desporto. No final de semana, saia, visite um jardim, um museu, faça um programa diferente. Permita-lhes “respirar” além da sua área de conforto, para que também eles não sejam consumidos pela correria do dia-a-dia.

De que forma tem investido no seu relacionamento conjugal? Como sempre fez, à sua maneira, ou procurando em Deus o equilíbrio, sendo igualmente sensível à necessidade do seu companheiro? Não nos podemos esquecer de uma coisa: Relacionamentos não se desfazem da noite para o dia, mas são contínuas falhas de atenção, constantes faltas de investimento e vários problemas juntos, que não se solucionaram. E isso não acontece apenas aos “outros”. Se Deus me confiou, Ele espera que eu cuide, e não à “minha maneira”. Cada um de nós tem necessidades especiais que precisam ser supridas, então não devemos avaliar o que os outros precisam, de acordo com aquilo que nós mesmos necessitamos ou queremos, ou simplesmente inclui-los na nossa “rotina”… mas parar, avaliar e procurar caminhos que nos tragam as respostas e soluções que precisamos, adequadas às situações.

Mas para isso temos que parar e investir tempo para ponderar, pensar, e isso é cada vez mais raro, infelizmente, nos nossos dias, onde tudo se faz mecanicamente…
Não estamos a lidar com “coisas” mas com pessoas.

Escreva aqui a sua opinião, e de que forma está disposto(a) a investir tempo de qualidade nos seus relacionamentos!

Aceita o desafio?!

Deixe uma mensagem

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

22 Comments

  1. Tenho esse péssimo hábito de olhar a vida somente pelo meu ângulo, esqueço-me muita das vezes de entender meus familiares devido a não me colocar no lugar deles. Deixo que uma atitude, uma palavra, me impeçam de demonstrar o que sinto por eles, ou tão somente de valorizar aquilo que eles fazem por mim mas que não enxergo pois no meu pensamento acho que é obrigação…

    Ver mais
  2. ‘Não estamos a lidar com coisas’
    Mais sim com pessoas.
    Pessoas essas que amamos e fazem parte da nossa vida.
    Por isso devemos sim fazer a diferença na vida delas.

    Ver mais
  3. A nossa familia é muito Especial,e muitas vezes nos enganamos achando que a nossa maneira é o melhor para eles,e não é verdade.Esta mensagem mim abriu muito os olhos.

    Ver mais
1 2 3 4