Silvia Alvarenga

  • 8
  • Jul
  • 2010

Arriscando a Minha Vida

  • 8
  • Jul
  • 2010
É muito difícil chegar ao mais profundo do mar, não é para todo mundo. Tem que ter muita vontade, determinação e até mesmo saúde. Na verdade, na minha primeira vez, eu só cheguei até os 10 ou 12 metros. Mas na segunda vez, fiquei mais nervosa, porque na minha máscara estava entrando água. E fiquei muito frustrada, porque tinha conseguido até certo ponto logo de primeira, mas na segunda, não foi uma experiência muito boa.
Toda a história que eu escrevi foi verdade e também tem uma mensagem subliminar. Espero que você possa entender!

Relatei esta história verídica, porque identifiquei-me muito com o modo como encontrei essa amiga.

Na realidade, quando eu conto na história que estava procurando valores no mar, não era algo que para esse mundo tem tanto valor, mas para mim sim: A natureza.

E é exactamente a natureza de uma pessoa, com suas imperfeições que muitas vezes o mundo rejeita, porque espera perfeição, espera que dê algo em troca, algo para beneficiar-se. Espera identificar-se para aproximar-se! Mas a minha busca não era por algo pessoal, mas sim resolver o problema dela.

Eu arrisquei a minha própria vida para ver, e ter contacto físico, com um mundo que é tão quieto e pacífico.
Quando arriscamos a nossa própria vida, em prol de outros que não sabemos se irão aceitar-nos ou não, que tem seu mundo fechado, sem dar-nos a mínima oportunidade de acesso, e entramos sem o mínimo medo do que irão pensar sobre nós, e somos sinceros, porque já não aguentamos mais ver o mundo triste que assistimos de longe. Você é forte! Você é corajosa! 
— Você enfrenta seus medos e arrisca sua própria vida, jogando com sua “reputação” porque você ama de longe (no sentido de amar sem esperar uma recompensa) —

Eu não estava satisfeita em apenas assistir um programa sobre a natureza, eu queria ter o contacto físico com aquele mundo. Queria tocar aquela natureza, linda, calma e serena. Agora queria o mesmo, queria tocar na alma e levar a felicidade que iria preencher a alma dela para sempre!

No próximo post comento mais. Aguarde! Estou fazendo o possível para não demorar.

Deixe uma mensagem

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

8 Comments

  1. D. Vivi,

    Não entendi muito bem o que a senhora quis dizer…minha mente não acompanhou. Mas uma coisa me chamou a atenção, foi a senhora dize que lá no fundo do mar tudo é tranquilo e lindo. Acho que a pessoa que tem o encontro com Deus também tem essa natureza interior. Embora lá na superfície do mar possa está acontecendo uma tempestade…lá no fundo do mar está tudo em paz, tranquilo e belo.

    Ver mais
  2. Gostei!

    Ver mais
1 2