A Chegada

Silvia Alvarenga

  • 23
  • Nov
  • 2009

A Chegada

  • 23
  • Nov
  • 2009

“Quando chegamos até o “local de trabalho” delas, ficamos de fora, porque acesso era restrito”

Estávamos em pleno verão e o sol escaldante queimava a nossa cabeça. Não havia nenhum lugar para sentar. Ficamos horas em busca de que uma delas saísse da toca.

O rapaz seguiu trabalhando, levando a comida que tinha sido encomendada até as garotas, porque ele tinha autorização para entrar. Ele levou algumas cartas até elas, que recebiam aquele papel sem ao menos entender o por quê.

Patrícia e eu lembrávamos do livro o tempo todo. O “local de trabalho” delas era todo cercado por grades. De repente, sai uma menina e falamos com ela. Ela nos atendeu super bem, pedimos para levar as cartas que havíamos feito para as demais que não saíam. Uma ou outra saia, e ali descobrimos um pouco da vida diária delas.

Elas trabalhavam a noite toda, pagavam 75€ por dia pelo alojamento. Tinham que cumprir com os horários do café da manhã na íntegra, senão ficava sem comer. A vida delas era monitorada. Elas não podiam sair, e tinham que dar satisfação por qualquer imprevisto. Era uma vida de escravidão. Tinham idades entre 18 e 30 anos.

A minha agonia aumentava: não sabia dizer o que queria, sabia que elas estavam em uma vida que não desejavam. Queria falar com elas, mas como? De que maneira?

Foram poucas as oportunidades que tivemos de falar pessoalmente com elas, porque ficavam escondidas neste local.

Mas uma nos surpreendeu: ela saiu do seu quarto e veio até onde estávamos. Estava ali, diante de nós, e a única barreira que existia entre nós era aquela grade. Naquele momento em que começamos a conversar, e dar uma palavra de ânimo e de esperança, ela desabafou todas as suas frustrações.

Ela nos contava que não tinha outro jeito, não entrou muito em detalhes. Mas ela deixou claro que achava impossível encontrar um verdadeiro príncipe, que nunca iria casar-se.

Ela chorava de tantos problemas.

Naquele dia, decidimos ir visitá-las todas as semanas .

Elas não sabiam que existiam pessoas que estavam disposta a arriscar a vida em prol delas, porque ali estavam os seus “seguranças”, imaginem o perigo que enfrentávamos!.

Elas não sabiam que nós não as julgávamos pelo que elas faziam, mas estávamos estendendo as mãos para ajudá-las. O que nós encontramos foi muita tristeza, que não conseguiam disfarçar.

A seguir falaremos mais do que aconteceu depois.

Deixe uma mensagem

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

7 Comments

  1. Essa atitude mostra que realmente pra servir a Deus temos que ter fé e amor. Pois que essa chama se acenda a cada dia em nossos corações…
    bjus na fé

    Ver mais
1 2