Que tipo de sacrifício você oferece? Que tipo de filho você é?

Viviane Freitas

  • 5
  • Jun
  • 2015

Que tipo de sacrifício você oferece? Que tipo de filho você é?

  • 5
  • Jun
  • 2015

Olá a todos os internautas!

É um prazer estar convosco aqui todas as semanas, falando acerca da Palavra de Deus. E vou dizer-lhe algo: Esta é que me faz “reinar”, ou seja, sair do mundo onde eu vivo para me trazer os pensamentos de Deus.

A Palavra de Deus permite-me ter paz, direção, traz-me alegria, certeza, traz-me algo seguro e não algo duvidoso! E por isso eu abordo, pelo menos uma vez na semana, aqui no Blog, um áudio exclusivamente para si. Justamente para falar daquilo que me sustenta, que me transfere gozo e sobre a qual eu tenho muito a dizer, que é a Palavra de Deus. Pois esta “fala” muito comigo!

Hoje eu gostaria de abordar o assunto: Que tipo de sacrifício você oferece? Que tipo de pessoa e que tipo de filho(a) você é?

No livro de Hebreus 11:17 vamos ler e dar continuidade ao que foi falado na semana passada:

“Pela fé, Abraão, quando posto à prova, ofereceu Isaque; estava mesmo para sacrificar o seu unigênito aquele que acolheu alegremente as promessas,…”

Que tipo de sacrifício você oferece? Há o sacrifício que é oferecido que não lhe custa muito, quer dizer, não requer de si muito esforço. E há aquele sacrifício que custa tudo de si.

Quando Abraão estava decidido a sacrificar o seu unigénito, o seu único filho, ele estava a oferecer o melhor que tinha: O filho com a sua própria esposa, pois ele havia tido um filho com a escrava. Lembra-se?

Pois é, aquele filho não era da promessa e por esse motivo não acolheu alegremente as promessas de Deus, não acolheu os ensinamentos dos pais que vinham de Deus; quis fazer à sua maneira. Assim como desde o início, o facto do próprio Abraão ter coabitado com a escrava, fê-lo do seu jeito, de acordo com a vontade de Sara.

Lembra-se do comportamento da escrava? Ela tinha um péssimo comportamento, ao ponto de ter que ser mandada embora com o seu filho. Abraão teve que perder um filho com a escrava, expulsando-o, e porquê? Porque tanto a escrava como o filho não aceitavam as coisas da maneira que tinha que ser! O espírito ruim da escrava também passou para o seu filho e consequentemente este não acolheu a promessa, as orientações de Abraão. Mas o seu filho Isaque já acolheu alegremente as promessas.

Veja bem, minha amiga internauta, quando você obedece torna-se uma pessoa muito mais próxima, ao contrário daquela que quer fazer as coisas do seu jeito, que tem os seus próprios pensamentos fixos e quer fazer a sua vontade.

Quando você age, obedece, submete-se à orientação vinda do homem e da mulher de Deus, você é humilde, acredita, crê que é vinda de Deus e não se opõe àquilo. Mas quando é orientada e reage como no exemplo que o Senhor Jesus deu dos dois filhos: Um disse: “ah… eu não vou!” e no meio do caminho arrependeu-se e fez como o pai o orientou. E o outro disse: “Eu vou!” mas chegando no meio do caminho não cumpriu com o que dissera. Quem foi o certo? Aquele que obedeceu.

Veja que algumas pessoas estão a acompanhar estes áudios, ouvem a orientação, mas chegando ao momento da decisão, querem fazer do seu jeito. Diante da pessoa, quando recebem a orientação dizem: “Sim senhor! Sim senhora! Está bem pai. Está bem mãe. Está bem Pastor. Eu vou fazer isso.” Mas chegando lá fora, fazem tudo do seu jeito, mostrando assim que não acolhem aquilo com alegria.

E quando não acolhe a orientação com alegria, não faz, não obedece, porque o primeiro filho até disse que não, mas foi, arrependeu-se e fez. Que é o justo! Aquele que acolhe alegremente é aquele que se submete, é humilde e não faz do seu jeito.

Eu quero chamar a sua atenção para o que você oferece a Deus, se é aquilo que lhe custa muito, que é único (o sacrifício é algo único, pois não tem nada mais que o substitua, após a sua entrega). Desta forma você oferece o melhor; o único!

Quem você é?

O filho que acolhe alegremente as promessas, aquele que aceita, que se submete, que obedece? Ou aquele que diz “não!”? Aquele que até responde positivamente mas não pratica?!

Deus não pode decidir por si! O pastor não pode decidir por si, nem o seu marido ou esposa. Ninguém pode decidir em seu lugar! Só você pode decidir quem será, ou quem quer ser, de acordo com a sua forma de agir. E se há respeito, vai existir obediência. Se não há respeito, você vai fazer do seu jeito.

Então minha amiga internauta, eu gostaria de ver o seu comentário aqui no blog. Gostaria de saber que tipo de sacrifício tem oferecido a Deus: É algo único, que lhe custa muito, o seu tudo? E que tipo de filho você é?

Um grande abraço e até para a semana, onde estaremos aqui de volta falando da Fé! Até lá!

Deixe uma mensagem

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

115 Comments

  1. Esse último trecho abriu os meus olhos só obedecemos ao nosso pai quando o respeitamos , respeitar e Deus e obedecer .

    Ver mais
  2. Quando agimos a fe ao ouvir as instruções vinda de Deus, então mostramos com nossa atitude a obediencia a Ele.

    Ver mais
  3. Eu creio que o maior sacrifício que se pode fazer no altar é obedecer sem duvidar. É um sacrifício que doi, mas traz benefícios futuros.

    Ver mais
  4. Muitas vezes queremos pedir e até exigir de Deus bênção como se ele fosse um garçom. E nis esquecemos que para ganhar precisamos perder. Mas com Deus não perdemos investimos. Para estarmos na condição de filhas temos que coloca-lo como nosso Pai. Deixando de fazer as coisas do nosso jeito e sim obedecer.

    Ver mais
  5. Olá Dona Viviane.
    Me chamo Yasmin, faz uma semana que acabei saindo da obra de Deus. Aí vem a pergunta, porque? Eu sempre fui este filho que mostrava aparência. Que até ali na frente do pastor ou da esposa dizia: “sim senhor, sim senhora”, porém, eu não fazia. Não porque não queria, sempre fui orgulhosa demais. Achava, que não necessitava da ajuda mais de ninguém por já ser uma obreira, não necessitava jejuar, nem mesmo orar etc. Me enchi com aquilo e me tornei uma pessoa convencida. E isso foi o começo da minha queda!
    Fazia coisas, que não agradavam à Deus, além do orgulho. Comecei ter muitas amizades mundanas, não chegava à sair ou coisas parecidas, mas, me deixava influenciar com comportamentos.
    Para resumir a história, eu acabei me envolvendo com uma pessoa, que também é da igreja, por carência. Por está vazia, achava que aquele sentimento poderia me preencher. Errado! Aquilo jamais iria me preencher e me tornar uma pessoa alegre.
    Eu estava dentro da igreja muda, surda e cega. Tudo que ouvia não absorvia. Sempre quando uma pregação falava comigo, eu orgulhosamente pensava: “Olha, essa pregação foi para fulano.”
    Hoje, eu consigo enxergar que eu me enganei. Não me deixei obedecer a vontade de Deus. Queria fazer pela força do meu braço, do meu jeito, assim como Sara. E acabei percebendo que estava totalmente errada.
    Cheguei a pensar: “Já é tarde demais!” Porém, Deus falou ao meu ouvido:
    – Você está viva, não morreu para dizer esta frase. Pode recomeçar.

    Quero recomeçar do zero. Voltar às práticas do primeiro amor. Sei quem fui e o que fiz para chegar a tão esperada queda e fraqueza espiritual. A culpa não foi de ninguém, foi minha. Por agir na emoção e no calor do momento, querer fazer do meu jeito! Por achar que poderia me “virar” sozinha.

    Esse post me ajudou demais. Cada palavra que a senhora falou foi comigo. Jamais esquecerei destas palavras. Creio, que foi o próprio Deus que quis me mostrar o que devo fazer, pois, não tenho abito de entrar no blog da senhora. 🙂

    Vejo como o cuidado do Espírito Santo!

    Beijinhos

    Ver mais
  6. Quando vc se submete a orientação vinda do homem de Deus, vc é humilde, acredita, crer que é vinda de Deus e não se opõe aquilo.

    Ver mais
1 17 18 19