Quarentena – 28º dia

Viviane Freitas

  • 23
  • Jan
  • 2013

Quarentena – 28º dia

  • 23
  • Jan
  • 2013

“Havia uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser, avançada em dias, que vivera com seu marido sete anos desde que se casara e que era viúva de oitenta e quatro anos. Esta não deixava o templo, mas adorava noite e dia em jejuns e orações. E, chegando naquela hora, dava graças a Deus e falava a respeito do menino a todos os que esperavam a redenção de Jerusalém.” (Lc.2:36-38)

Algo que me desperta a atenção, é que vivera sete anos com o seu marido, mas agora, viúva, permanecia no Templo…

Não é apenas “o jejuar e orar” permanentemente, mas o fato de ter perdido o marido, contudo, de forma alguma, ter desanimado!

Ao invés de se permitir “enfraquecer”; procurar apoio imediato nos familiares, etc., ela rendeu-se a Deus…

Creio que, para alguém adorar noite e dia, é porque existe nessa pessoa, uma gratidão; uma certeza de que, aquilo que Deus fizera na sua vida, é real!
Não se deixou vencer pelas dúvidas, ou se permitiu lamentar pelas perdas, mas viveu os restantes dos seus dias, após a morte do marido, dando-se para Deus!

Em virtude das nossas defesas naturais, agimos, muitas vezes, de uma forma reprovável, egoísta e orgulhosa… Mas não esta mulher! Concerteza também ela enfrentou dificuldades, mas venceu, fazendo do “limão uma limonada”.

Existem muitas pessoas que, na perda, desanimam, ficam fracas, rendem-se e julgam a Deus… Desde o dia que perderam “o marido”, até ao dia de hoje, “vivem” essa “morte”, com tristeza e desânimo, não fazendo mais nada.

Mas Ana, não! Ela destacou-se pela sua atitude.

“E, chegando naquela hora, dava graças a Deus e falava a respeito do menino a todos os que esperavam a redenção de Jerusalém.”

Todas as pessoas que aprendem, na perda, a entregar o seu egoísmo e as suas defesas a Deus, sendo flexivel à Sua ação, cedo ou tarde estas pessoas verão Deus nas suas vidas.

Ele não lhes ficará indiferente.

Por isso, não podemos render-nos nas perdas; desmaiar ou perder a fé… Temos que ser melhores!

A dor, ou nos conduz ao melhor – viver pela fé – ou ao pior – entregar-se aos sentimentos.

Na perda, devemos pensar: “Eu vou adiante! Isto não vai impedir-me, diminuir a minha fé ou a minha força. O Deus que eu sirvo, independe do meu marido ou das coisas que eu tenho.”

Eu comecei a servir a Deus quando eu tive um encontro com Ele, e, por isso, não podem existir perdas ou preocupações, que me dominem, mas uma certeza de que Deus está sobre a minha vida.

Apesar de ser muito difícil lidar com a morte ou a perda, não devemos, jamais, permitir-nos dominar pela mesma!

Deixe uma mensagem

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

118 Comments

  1. Ola Dna Vivi hoje pudi aprender com o exemplo de Ana, não devenos nos abater diante das perdas, temos que nos dar mais e mais a Deus, que é o unico capaz de suprir nossas necessidades
    Um beijo

    Ver mais
  2. Verdade Dn. Vivi, não devemos nos deixar levar pela dor da perca, devemos entregar as situações nas mãos de Deus. Agradeço a Senhora por tudo. Beijos.

    Ver mais
  3. Essa semana eu perdi um familiar o qual eu amava muito, confiar é se entregar só através da entrega do coração a Deus ele pode nos dar a paz nos momentos mais difíceis.

    Ver mais
  4. Olá, D. Viviane
    Quero agradeçer pela quarentena, e dizer que a ideia dos cds é maravilhosa e não tens ideia do quando está ajudando em meu dia dia, eu inicialmente participei apenas como ouvinte, hoje faz parte da minha vida do meu crescimento, aprendi a analisar minhas atitudes, ouvir a vontade de Deus e praticar. Sabes que por incrivel que pareça, ouço, medito e logo logo vivo uma situação que automaticamente vai de encontro ao aprendizado do dia. Muito obrigada mesmo e já estou desejosa de outra quarentena.

    Ver mais
1 18 19 20