O mal que entra pelos olhos

Andreia Petrucci

  • 22
  • Jun
  • 2015

O mal que entra pelos olhos

  • 22
  • Jun
  • 2015

“Então, Saul se indignou muito, pois estas palavras lhe desagradaram em extremo; e disse: Dez milhares deram elas a Davi, e a mim somente milhares; na verdade, que lhe falta, senão o reino?
Daquele dia em diante, Saul não via a Davi com bons olhos.
No dia seguinte, um espírito maligno, da parte de Deus, se apossou de Saul, que teve uma crise de raiva em casa; e Davi, como nos outros dias, dedilhava a harpa; Saul, porém, trazia na mão uma lança…” (ISm.18:8-10)

São palavras que entram no coração, atitudes que desagradam, situações mal resolvidas, pecados não confessados, etc. Qualquer um destes exemplos, dentre tantos outros, podem ser fatais para que o coração se torne o centro das decisões. E já sabemos que quando o coração decide… é uma porta aberta para o diabo provocar toda a espécie de estragos. E com graves e eternas consequências.

Esta semana, por intermédio de uma situação, vi claramente a forma como o diabo age, usando-se de circunstâncias habitualmente sem um fundo verídico, para provocar uma espiral de sentimentos completamente opostos à fé racional. Aquilo que começou com um sentimento de “desconforto” inicial por uma palavra mal colocada, tornou-se numa batalha “ferrenha” contra o ódio, a raiva e a mágoa. E aqui o caminho já se tornou praticamente irreversível. Porquê? Porque a cegueira espiritual dominou, prevalecendo sobre todos os valores, inclusive a fé.

Saul ficou cego pela inveja, pela raiva, pelo ódio, entrando assim num passo acelerado para a sua própria destruição. Foi só uma questão de tempo.

Apelo para a sua atenção!

Não se permita conviver com nenhum tipo de sentimento negativo, por mais insignificante que lhe possa parecer. Não deixe que os seus filhos ou familiares alimentem “guerras” entre si, por causa de invejas, problemas antigos… Eu já vi isso acontecer: Mães que odiaram um ente querido, seja marido, avô, sogra, e que não conseguiram ultrapassar as suas próprias amarguras, transmitiram-na aos filhos, que continuaram a perpetuar esse ódio… Não faça isso! Por pior que tenha sido a situação, o pior mal que faz é a si mesma e à sua família, alimentando esses sentimentos.

Resolva o que tem a resolver, ultrapasse ódios e mágoas antigas, ou recentes, não importa, pois o único lugar para onde isso a levará é à morte espiritual.

Não quer ficar “cega”? Então salvaguarde a si e à sua família de cair na tentação dos “maus olhos”, pois estes têm a capacidade de “cegar” até o “rei” mais poderoso.

Se este é o seu caso, exponha hoje mesmo essa situação a Deus e procure o quanto antes o seu responsável espiritual, o seu pastor, uma esposa de pastor, enfim, alguém que tenha autoridade de a ajudar e encaminhar, da forma correta.

Nenhum de nós sabe quanto tempo tem, por isso o tempo é hoje!

Caso já tenha atravessado uma situação do género, compartilhe connosco as suas experiências. Com certeza servirá para ajudar alguém.

Deus abençoe a todas. Na fé!

Deixe uma mensagem

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

39 Comments

  1. Devemos ter cuidado com os nossos olhos e não se deixar enganar por ele.

    Ver mais
1 5 6 7