Jovens: Injustamente?

Silvia Alvarenga

  • 7
  • Abr
  • 2015

Jovens : Injustamente?

  • 7
  • Abr
  • 2015

Se havia uma coisa que me irritava na escola era no momento em que tooooooda a sala de aula estava uma “bagunça: a falarem alto, a rirem, a conversar, etc.

E a professora no exato momento em que se virava olhava para mim e me repreendia somente a mim, só porque eu estava perto de quem realmente estava a fazer a confusão.

Injustiça, mal entendido!? … O pior era quando eu ia justificar-me, dizendo que não era eu que estava a rir alto e a conversar …, mas a professora não acreditava em mim! Estas situações repetiram-se em diferentes episódios e proporções.

O que gera um sentimento de injustiça e pior: pensamentos de que estamos a ser perseguidos. Estes pensamentos são muito perigosos, pois marcam o nosso caráter e sem querer acabamos por afastar todas as pessoas ao nosso redor, como um cão ferido que não confia em mais ninguém e qualquer um que se aproximar, é atacado.

Mas aprendi uma coisa com o apóstolo Paulo que me faz refletir em todas as situações que me deixaram assim:

“Examinai tudo. Retende o bem.
Abstende-vos de toda a aparência do mal.
E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.”
(1 Tessalonicenses 5:21-23)

Chamou-me à atenção 4 ordens:

– Examinai tudo – Ou seja, não podemos ver só o nosso ponto de vista, precisamos alargar a nossa visão. É um facto que quando o ser humano nasce é 100% egocêntrico, só vê o seu próprio lado, mas amadurecimento também quer dizer que não vê só a sua perspetiva vê a situação num todo. Examinar tudo é ver o que é que nós estamos a fazer e se a atitude, pensamento, sentimento que estamos a ter agrada a Deus ou não.

– Retende o bem – Isto é, vê o que podes aprender com a situação.

– Abster da aparência do mal. É importante reparar que não diz abster do mal mas abster também de tudo o que possa parecer ou sugerir o mal. Hoje vejo que realmente apesar de não ser eu que fazia a desordem na sala de aula, contribuia para tal, o que é que eu pensaria se estivesse no lugar da professora?

– Sejam conservados irrepreensíveis. Se há repreensão (ainda que possa parecer injusta) é porque de alguma forma eu dei razão para aquela repreensão.

Pense nisto!

Deixe uma mensagem

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

17 Comments

  1. Isso me faz refletir muito..?

    Ver mais
  2. Essas dicas dia muito interessantes. Mas o que mais me chamou atenção foi a verdade “se alguém nos chama a atenção é porque algum motivo demos para isso, ainda que esse não seja o real motivo a bronca de alguma forma ou outra demos razão”. Se toda vez que formos repreendidos olharmos com essa visão, então fica fácil exercer nossa humildade!

    Ver mais
  3. muito bacana e muito frote

    Ver mais
  4. Gostei imenso dessas ordens , nessas situações por vezes e difícil olharmos dessa maneira porque ninguém gosta de ser injustificado muito menos repreendido sem ter culpa , e também já aconteceu algumas vezes comigo na escola. Cada vez mais o ser humano só vê o lado dele mas temos de ver sempre o nosso lado e o lado da outra pessoa e sempre ver o benefício e o que podemos tirar de bom destas situações e não o mal ou reagir pior.

    Ver mais
1 2 3