De mãe para mãe: A sensibilidade de uma Mãe

Josiane Boccoli

  • 20
  • Mar
  • 2015

De mãe para mãe : A sensibilidade de uma Mãe

  • 20
  • Mar
  • 2015

Normalmente quando percebemos que os nossos filhos têm alguma dificuldade, logo pensamos em procurar um tratamento, e esse pensamento não é errado!

O erro está em colocar toda a esperança somente neste tipo de recurso.

No meu caso, quando descobri que o meu filho era autista fui atrás de tratamentos, especialistas e tudo o que me pudesse dar respostas a este nível. E encontrei uma equipe maravilhosa no Brasil, na ABADS (Associação Brasileira de Assistência e Desenvolvimento Social), a qual sou muito grata. Contudo, quando cheguei a Israel, vi-me só! Ninguém me entendia, não havia um diagnóstico para ele e, para piorar, neste país na maioria dos casos os pais escondem as crianças com este tipo de dificuldade como se fossem um pecado! Acredita que existe até um local como um asilo (casa de acolhimento), onde as crianças com este tipo de características são colocadas e visitadas apenas pelos pais, pois esta situação trata-se de uma vergonha para eles?! É um pensamento muito antigo e triste, o que também impossibilita Israel de crescer em recursos para este tipo de casos. Mas este assunto é uma outra história…

Regressando á minha “aparente” solidão, ressalto que dependi somente do Espírito Santo para me dirigir. Claro que entrei em sites para pesquisar e li muitos livros sobre o assunto, para além disso também me sentava e analisava o meu filho. Ao fazer isso, ia descobrindo nele dificuldades e facilidades na aprendizagem, foi onde percebi que ele não era rebelde por não me obedecer, ele simplesmente não entendia as palavras, era tudo muito abstrato … O meu filho era uma criança “visual”, logo entendia melhor através de desenhos ou fotografias. Assim, passei então a desenhar tudo para ele e a minha casa virou um “gibi” (revista de desenhos animados) … E o meu amorzinho começou a entender coisas simples que anteriormente eram para ele como uma página em branco.

Muitas foram as vezes que dei comigo a pensar que o meu filho fingia não me ouvir, quando finalmente entendi a realidade dos factos, automaticamente me lembrei desses pensamentos e foi então que percebi que ele não me atendia quando o chamava porque ele não me via. As palavras eram vagas para ele, ou seja, simplesmente passavam, porém se eu segurasse na sua mão e a levasse ao meu rosto ele olhava para mim … Uuaaauuuu!! Era como se seus olhos seguissem os seus dedos e resolvido outro problema …! E assim foram diversas descobertas com o meu filho.

Até hoje faço esses exercícios e estamos na fase de cantar. Sim!!, o Gabi gosta de músicas e uso as melodias que ele mais gosta para fazermos atividades diárias. Ele fica alegre e faz a “brincar”, isto é, com gosto o que antes era um peso.

Posso dizer-lhe que até um método que Deus me dirigiu, hoje transformou-se numa forma de tratamento no autismo. E tudo porquê?

Por vezes podemos ficar tão perdidos diante de certos problemas com os nossos filhos como, por exemplo, a desobediência, falta de atenção, sentimos que eles não nos ouvem ou não nos respeitam, …, que acabamos por perder tempo à procura de atendimentos de profissionais, pois parece impossível que possamos ser o melhor recurso para os nossos filhos. E enfim quando falta o dinheiro, as forças acabam e não resta mais nada a fazer. É neste preciso momento, que entendemos que estava tudo ali, bem na nossa frente e que bastava ter a certeza de que Deus guiaria e nos capacitaria …

Aprendemos que ninguém pode ajudar os nossos filhos melhor do que os próprios pais!
Aprendemos também que com Deus sim, nós temos este poder.

Creio que, certas vezes, Deus permite que percamos a esperança em ajudas e tratamentos para que possamos erguer as nossas mangas, nos dispor e revolucionar.

Muitas pessoas pensam que pelo facto do meu marido ser um jogador de futebol o meu filho deve ter tido muitos tratamentos caros e por isso hoje ele é quase normal… Grande engano!! Não!!!

O Gabi foi tratado em casa e por mim. Ele começou a ter aulas de fonoaudiologia somente aos 8 anos de idade. E eu dependi de Deus, fizemos correntes de cura, votos no Altar e do Altar vieram todas as nossas ajudas.

Amiga e mãe, creia que Deus pode capacitar-te para ajudar o seu filho. Não importa o problema que ele tenha, físico ou espiritual, mas seja sensível ao seu chamado.

Creia em Deus e acredite em si mesma, porque se eu pude, você também pode!

Estamos juntas!

Deixe uma mensagem

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

65 Comments

  1. Meu filho tbm tem diagnóstico de TEA e assim como seu exemplo, eu hj mesma vou orar para Deus me capacitar a ajuda-lo, ainda não tinha pensado nisso, eu oro constantemente pela sua cura e chamo a existência aquilo q não existe, pois tenho respaldo bíblico!!
    Continue nos abençoando com suas palavras e seus artigos muitíssimos interessantes!
    grande beijo!

    Ver mais
  2. Esse post está bem legal e mostra que quando já não há mais recursos naturais, ainda assim, poderemos contar com Deus. Basta pedir a Sua orientação e confiar que Ele trará alguma inspiração.

    Ver mais
  3. Temos que confiar em Deus mediante a tudo que passamos em nosso dia a dia.

    Ver mais
  4. Muito forte arrebentou.

    Ver mais
  5. Muito bacana este estudo.. Nos faz refletir!!

    Ver mais
1 9 10 11